Dieese diz que 84% dos acordos tiveram aumento real no primeiro semestre
Matérias

Mesmo com inflação maior e perspectiva de desaceleração da economia, as campanhas salariais do primeiro semestre mantiveram a tendência positiva, com 84% dos reajustes superiores à inflação do período, segundo levantamento divulgado nesta quinta-feira (18) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Foi o segundo melhor resultado dos últimos quatro anos. Os 7% de acordos com reajustes inferiores à variação do INPC, ante 4% no ano passado, não são vistos como uma mudança de sinal. Sindicalistas e técnicos interpretam que o discurso de que salário provoca inflação, repetido insistentemente desde o início do ano, não vingou - mas certamente se repetirá agora, quando várias categorias entram em campanha salarial.

"A tendência continua. Ainda que haja uma desaceleração da atividade econômica, o mercado interno vai segurar o crescimento da economia", avalia o coordenador de Relações Sindicais do Dieese, José Silvestre Prado de Oliveira.

O presidente da CUT, Artur Henrique, espera resultados melhores neste segundo semestre. "Uma parte desses ganhos, desse aumento de produtividade, tem de ser dividida com os trabalhadores", afirma.

De 353 acordos analisados pelo Dieese, 298 (84,4%) superaram a variação do INPC, 31 (8,8%) igualaram o índice e 24 (6,8%) ficaram abaixo da inflação. Um pouco abaixo dos resultados de 2010, quando 86,7% dos reajustes salarial foram acima da inflação, 9,6% iguais e 3,7%, abaixo.

Nessa comparação, há um fator determinante, que foi o crescimento da inflação nos primeiros meses de 2011. A inflação média no primeiro semestre foi de 6,4%, ante 4,89% no ano passado, por exemplo. Assim, os aumentos reais foram mais modestos neste ano, mas ainda assim com resultados positivos: os acordos com aumentos reais acima de 3%, que ficaram em 5% do total em 2008 e 2009, atingiram 15% em 2010 e 12% em 2011.

"Deve-se considerar, ainda, que, apesar do cenário econômico mundial incerto, com fortes sinais de agravamento nos países capitalistas centrais, o nível de atividade interna da economia pode possibilitar a continuidade de conquistas para os trabalhadores. Esse é o desafio atual do movimento sindical brasileiro", analisa o Dieese.

O que se espera para o segundo semestre é um embate baseado em um paradoxo: a inflação vem caindo no mês a mês, mas sobe quando se considera a taxa acumulada. Assim, as próximas negociações terão por um lado uma inflação passada perto dos 7% e uma futura que se projeta entre 4,5% e 5%.

"A inflação está caindo, e a expectativa é de que volte para o centro da meta (4,5%) em 2012", lembra Silveste. Além disso, ele lembra que as negociações do segundo semestre envolvem categorias que são consideradas referências, como bancários, metalúrgicos, petroleiros e químicos.

Para Artur Henrique, os números das campanhas salariais mostram que não havia sentido em identificar nos salários os "culpados" pelo aumento das taxas de inflação. "Nós dizíamos que não era verdade que o consumo estava desenfreado. Houve até pequena redução do consumo das famílias. E a inflação era provocada por fatores externos, como os preços de commodities, além de aluguéis e tarifas públicas. E tem também a questão da especulação. O empresário não deixou de botar a 'maquininha' dele para funcionar", observa. "Ninguém neste país fala em diminuir margem de lucro. O único da cadeia produtivida que não consegue acompanhar (o aumento de custos) é o salário."

O presidente da CUT diz ainda que não se pode falar em inflação futura. "Quando a gente chega na mesa de negociação, o salário já está corroído pelos 12 meses anteriores", diz.

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, acredita que a tendência é de recuperação no segundo semestre. "Com certeza haverá mais enfrentamento. Mesmo com o discurso da crise, ou com ela nos ameaçando de fato, há uma tendência de obter aumento real de salário."

 
 


 

Leia +
ASSÉDIO MORAL
Novidades 03
Trabuco ganhou 394 vezes mais do que um bancário do Bradesco em 2010
TARIFAS BANCÁRIAS
Bancários protestam no Banco Central
Polícia Federal quer medidas concretas para reduzir o golpe da saidinha de banco
Brasil cria 140 mil novos empregos em julho
Endereço:
Rua Doutor Walmir Peçanha, 64, sala 301/303
Centro - Três Rios/RJ


Ligue:
24 2252 0615