Bancos fecham 5.864 postos de trabalho entre janeiro e julho de 2015
Últimas Notícias

Divulgada no dia 25 de agosto, pela Contraf-CUT. O estudo é feito mensalmente, em parceria com o Dieese, e usa como base os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Os bancos múltiplos, com carteira comercial, categoria que engloba grandes instituições, como Itaú, Bradesco, Santander, HSBC e Banco do Brasil, foram os principais responsáveis pelo saldo negativo. Eles eliminaram 3.715 empregos. A Caixa, apresentou corte de 2.180 postos de trabalho no período. 

O resultado foi influenciado, em parte, pelo Plano de Aposentadoria Incentivada (PAI) do Banco do Brasil e o Programa de Apoio à Aposentadoria (PAA) da Caixa Econômica Federal, implementados ao longo de 2015.

"Os bancos insistem, nas negociações, em dizer que são o setor da economia que menos demite, comparando-se indevidamente com setores que atravessam crises pontuais. Mas o que estamos verificando é diferente. Existe uma tendência de redução de postos de trabalho justamente no setor que não vive nenhuma crise e que vem obtendo altos lucros. Isto é inadmissível", afirma Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT. 

Clique aqui para acessar as tabelas e gráficos da pesquisa.

Reduções por estados

No total, 23 estados registraram saldos negativos de emprego. Em apenas quatro houve saldo positivo entre desligamentos e admissões. As reduções mais expressivas ocorreram no Rio de Janeiro (-1023), São Paulo (-782) e Minas Gerais (-618) e Rio Grande do Sul (-579). Já o Pará, foi o estado com maior saldo positivo, com geração de 108 novos postos de trabalho, seguido pelo Mato Grosso, com 39 novos postos no período 

Rotatividade e salário

De acordo com o levantamento da Contraf-CUT/Dieese, além do corte de vagas, a rotatividade continuou alta. Os bancos contrataram 20.426 funcionários e desligaram 26.290 nos sete primeiros meses de 2015.

A pesquisa também revela que o salário médio dos admitidos pelos bancos foi de R$ 3.427,10, contra R$ 6.234,13 dos desligados. Assim, os trabalhadores que entraram nos bancos receberam valor médio 55% menor que a remuneração dos dispensados.

"Além da gravidade da questão da redução dos empregos no setor, os bancos continuam utilizando a rotatividade para levar vantagens e reduzir o tamanho das suas folhas de pagamento. Demitem os trabalhadores que têm salários mais altos e contratam trabalhadores na base da pirâmide", critica Roberto von der Osten. 

Desigualdade entre homens e mulheres

A pesquisa mostra também que as mulheres, mesmo representando metade da categoria e tendo maior escolaridade, continuam discriminadas pelos bancos na remuneração. 

A média dos salários dos homens admitidos pelos bancos foi de R$ 3.757,29 no período. Já a remuneração das mulheres ficou em R$ 3.065,40, valor 18,4% inferior à remuneração de contratação dos homens. 

A desigualdade também permanece no desligamento. A média dos salários dos homens foi de R$ 6.986,58 no período, enquanto a remuneração das mulheres ficou em R$ 5.408,45. Resultando em um salário médio 22,6% menor do que o dos homens. 

"A diferença salarial entre homens e mulheres, tanto na contratação quanto na demissão, (facilmente verificável pela pesquisa do Dieese) mostra que estão mantidas as históricas discriminações nos bancos, apesar das mulheres terem hoje mais escolaridade no emprego bancário. Isto é injustificável e precisa continuar sendo combatido", reforça o presidente da Contraf-CUT. 

Leia +
Dirigentes sindicais apontam prioridades ao novo Gerente Regional do Bradesco
Bancários entregam pautas ao BB e Caixa
C A I X A
Campanha Salarial 2011 - Principais reivindicações
Sindicato comemora o Dia dos Bancários
Ataques visam minar direitos e Caixa 100% pública
Participantes elegerão novo representante na Previ
Endereço:
Rua Doutor Walmir Peçanha, 64, sala 301/303
Centro - Três Rios/RJ


Ligue:
24 2252 0615